Aldeia Naô Xohã, impactada pelo desastre de Brumadinho, em São Joaquim de Bicas.

January 29, 2019

 

Comissão integrada pelas três esferas de governo iniciam ações junto à Aldeia Naô Xohã, impactada pelo desastre de Brumadinho, em São Joaquim de Bicas.

 

Na manhã desta segunda (28/01) representantes da União, Estado e Município se reuniram com as 18 famílias da etnia Pataxó Hã-Hã-Hãe, que migraram de Santa Cruz de Cabrália/Bahia e estão assentados às margens do rio Paraopeba, em São Joaquim de Bicas, em área de uma mineradora. O desastre da Barragem de Feijão em Brumadinho atingiu de forma indireta a aldeia e foram traçadas ações emergenciais visando à minimização desse impacto.

 

Água Potável

 

Ações integradas entre o município junto à Copasa e Governador Valadares/Belo Horizonte, articuladas pela Funai, através de campanhas solidárias (água mineral) darão a eles a garantia de abastecimento, antes feito em minas do outro lado do rio.

Alimentação

Contará com campanha solidária junto ao município uma vez que não se sabe ainda o grau de contaminação nas verduras e legumes lá cultivados e não é possível mais a pesca local no rio Paraopeba.

Saúde

 

A Secretaria de Saúde Indígena/Ministério da Saúde e o Município cuidarão de ações conjuntas tendo em vista o elevado grau de potencialidade de doenças motivadas pelo aparecimento de insetos transmissores de doenças.

 

Habitação

 

Quanto à habitação, como a regularização fundiária está em andamento após o reconhecimento pela Funai do aldeamento, a solução paliativa em substituição aos barracos em lonas plásticas está sendo a construção de casas em madeira, em parceria com a ONG Teto Brasil. Cinco casas já estão concluídas e outras 13 casas estão em projeto urbanístico pela equipe do Projeto Minas Indígena, Sedinor/Cohab, estando também em tratativas com a Secretaria Estadual de Educação a construção de uma escola indígena na aldeia. Na próxima semana um engenheiro agrimensor da Cohab e um da Funai farão o levantamento topográfico do local do assentamento.

 

Danos Ambientais

 

Dois defensores públicos da União também já visitaram a aldeia e, juntamente com o Ministério Público Federal, estão avaliando o grau de dano ambiental que possa amparar uma possível ação judicial. Os peixes mortos estão sendo recolhidos, enterrados e cobertos por areias para reduzir o mau cheiro que já paira em toda a área da aldeia e a possibilidade de contaminação.

Inicialmente muito emotivos foram relatando as demandas, e ao final, após sentirem o apoio do poder público nacional, estadual e local, ficaram menos aflitos.

 

Participaram da reunião:

 

Pelo Governo Federal/Fundação Nacional do Índio: Jorge Luiz, coordenador regional da Funai em Minas Gerais e Espírito Santo; os técnicos Pablo Camargo, indigenista e Hélcio Mattos, engenheiro agrimendor;

Pelo Governo de Minas Gerais/Companhia de Habitação – Cohab Minas, Adélia Aparecida de Resende Maia, coordenadora do Projeto Minas Indígena e o técnico Leandro Rocha;

Pelo Município, Antônio Augusto de Resende Maia, Prefeito de São Joaquim de Bicas.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Conheça nosso projeto
Procurar por Tags
Please reload

Siga "PELO MUNDO"
  • facebook
  • instagram-icon-grey.3cf404e5