Centro Cultural da Aldeia Naô Xohã.


Em reunião ocorrida ontem, 26/06/19, na Aldeia Naô Xohã em São Joaquim de Bicas, foi entregue aos indígenas da etnia Pataxó Hã-hã-hãe o projeto do Centro Cultural desenvolvido pelo Projeto Minas Indígena estando presente, também, representantes da Funai.


Em seguida houve uma reunião na qual os indígenas entregaram o projeto ao representante do Ministério Público Federal, Procurador Edmundo Dias, que o apresentará à mineradora Vale tendo em vista ser esta uma das medidas compensatórias previstas no Termo de Ajuste Preliminar Extrajudicial (TAP-E), assinado entre as partes após o rompimento da barragem 1 da Mina do Córrego do Feijão que atingiu a aldeia.


O Centro possui o formato de Maracá, definido pela etnia, por ter um simbolismo ligado ao “sagrado’.


O cronista alemão Hans Staden descreveu, em sua obra “História verdadeira...”, que os índios Tupy que habitavam a maior parte do litoral do Brasil no século XVI veneravam os seus maracás como deuses. Cada índio possuía seu maracá particular, que era guardado em um aposento próprio, após o maracá ter sido consagrado pelo pajé. Ao seu maracá particular, os índios dirigiam suas preces e pedidos.