O Projeto Minas Indígena é executado pelo Governo do Estado de Minas Gerais através da Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais - Cohab Minas, tendo sido concebido visando à eliminação da carência por moradia digna para a população indígena residente em Minas Gerais: Aranã, Catu-awá-arachá, Kaxixó, Krenak, Maxakali, Mukuriñ, Pankararu, Pataxó, Puri, Tuxá, Xakriabá e Xukuru-Kariri.

 

Assentando-se em cinco eixos estruturantes contempla: a união entre as três esferas de governo; o processo participativo dos nativos no desenvolvimento do Projeto; a aproximação entre o Poder Público e a Academia via inserção de estudantes universitários em todas as ações; a capacitação dos nativos para a execução das obras permitindo a eles a obtenção de conhecimento técnico para a autoprodução e replicação correta e, sustentabilidade social, econômica e ambiental.

 

Tem por meta global a produção de construções sustentáveis que respeitem os costumes e hábitos culturais de cada etnia gerando tecnologia construtiva própria e tecnologia social entre Estado e comunidades indígenas de Minas Gerais que possam ser replicadas em projetos e programas de melhorias de condições de vida nestas localidades e, também, gerar o empoderamento das aldeias indígenas através da construção de meios de comunicação que divulguem sua cultura local e incentive a formação de redes entre essas populações tradicionais, os participantes do projeto e grupos de pesquisa/extensão na área.

 

Com as metas específicas pretende-se elaborar metodologias participativas e colaborativas para o desenvolvimento de projetos técnicos de moradias indígenas que serão replicadas em todas as etnias que vivem no Estado de Minas Gerais; identificar e desenvolver tecnologia social capaz de fomentar a produção habitacional própria de cada etnia valorizando o modo de vida e a cultura ancestral; desenvolver projetos técnicos construtivos com diferentes tipologias para cada etnia; realizar reuniões e dinâmicas participativas junto às etnias a serem atendidas; mapear e registrar todo o processo; produzir cartilhas e material gráfico para comunicação, registro e divulgação das tecnologias sociais implantadas; capacitar os indígenas para a produção construtiva via Oficinas e disponibilização de Cartilhas de passo-a-passo que, ao final, gerem Manuais; desenvolver estudos sistemáticos de temas de tecnologia da construção alternativa e sustentável e de temas de procedimentos de projeto colaborativo e participativo visando ao estabelecimento de metodologias e tecnologias adequadas.

 

Com essa iniciativa o Governo de Minas dá mais um passo para alcançar o cumprimento do compromisso assumido por ele quanto ao disposto na Agenda Universal “Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”, aprovada pela cúpula das Nações Unidas. Dentre os 17 objetivos que compõem os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável previstos na Agenda o “Minas Indígena” pretende, em sua área de atuação, população indígena, alcançar pelo menos nove deles: erradicação da pobreza, fome zero e agricultura sustentável, água potável e saneamento, energia limpa e acessível, trabalho decente, redução das desigualdades, comunidades sustentáveis, ação contra a mudança global do clima, parcerias e meios de implementação.

Voltar
cohablogomi.png
Logomarca_GOV-Minas_Secretaria-Desenvolv